PUBLICIDADE:

ComunicArt

Talvez você não saiba, mas a gigante Amazon também está apostando em produções originais de audiovisual. Uma de suas primeiras apostas foi muito bem sucedida, logo de cara, quase como quem joga na lotofácil e acerta o prêmio principal, sem nem acreditar. Trata-se da série Transparent, criada por Jill Soloway.

Como acontece com os produtos da Netflix, o show foi disponibilizado por completo no site e já tem data até para a segunda temporada, a partir de dezembro deste ano. O drama cômico, tratado de maneira corajosa e sensível, penetra no difícil universo da transexualidade.

Uma família cheia de conflitos internos – 3 filhos adultos – se reune para ter uma séria conversa. Pensando se tratar de algo relativo a herança, questões financeiras, Ali, Sarah e Josh ficam chocados ao descobrir que o pai deles está passando por um momento de transição, decidindo mudar de sexo. A partir deste fato, toda a dinâmica familiar se modifica.

O que poderia se transformar em um pastelão sem tamanho, ou em um festival de grosserias e absurdos, se mostra como é: um assunto muito difícil de ser tratado, sem hipocrisias ou ações politicamente corretas. O tom do programa é perfeito, pontuado por excelentes interpretações de todos os atores, em especial do sempre ótimo Jeffrey Tambor, no papel principal do pai, Mort/Maura.

198485.jpg-r_640_600-b_1_D6D6D6-f_jpg-q_x-xxyxx

A série televisiva atraiu as melhores críticas, sendo premiada inclusive com o Globo de Ouro de melhor ator para Tambor e de melhor série Musical/Cômica, além de vários outros. O elenco ainda conta com os atores: Gaby Hoffman, Amy Landecker, Jay Duplass , Melora Hardin e Judith Light, dentre muitos.

A primeira temporada tem 10 episódios e tem o formato clássico de comédia, com 30 minutos de duração, algo que anda em falta na TV norte americana, atualmente. O nome do programa, para quem não percebeu, faz um trocadilho entre as palavras trans (transexual) e parent (pais).

Confira o trailer:

Sobre Bruno Bardella

Visualizar todos os posts

Diretor de arte, motion design e jogador de poker nas horas vagas. Em 2012, Bruno fundou o blog ComunicArt e desde então, dedica seu tempo com o galinho.

Você pode gostar desta



PUBLICIDADE:
Parceiros